Compartilhar Facebook   
Favoritar
EM REVISTAREPORTAGENS — COMO ABORDAR A APRENDIZAGEM DA LÍNGUA ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL?...

Como abordar a aprendizagem da língua escrita na Educação Infantil?

Mônica Cardoso


A Educação Infantil é o início da vida escolar, mas o contato da criança com o mundo letrado começa bem antes da entrada na escola. Ao ver a mãe escrever a lista de compras, a criança constrói a ideia de que uma das ações sociais da linguagem escrita é garantir a memória. Quando observa o pai digitar uma mensagem no celular, ela percebe que a escrita é importante para a comunicação. Se a avó segue a receita para fazer um bolo, ela associa o uso da escrita à transmissão de ensinamentos. Em uma sociedade em que a escrita é tão valorizada, o contato das crianças com a cultura letrada acontece cada vez mais cedo e, muitas vezes, a alfabetização é apresentada como um objetivo de aprendizagem já na Educação Infantil.


 “A criança, desde muito cedo, depara-se com a escrita a sua volta, vendo a mãe escrevendo um bilhete, o pai conferindo a conta de luz, a avó lendo um livro para ela... Assim, começa a perceber o significado desses diferentes portadores, o que a introduz nos usos sociais da escrita – no letramento. Ela revela, também desde cedo, interesse pelo significado daqueles pequenos traços, as letras, e curiosidade sobre como eles representam palavras, histórias – começa a compreender a alfabetização”, afirma Magda Soares, professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). 


O papel central que as práticas de leitura e escrita ganharam em nossa sociedade influencia o olhar das crianças sobre a realidade que as cerca, mesmo antes de ingressarem na vida escolar.


“Tomar parte em situações de uso da escrita é ser introduzido no letramento. Quando elas chegam às escolas, já experienciaram inúmeras situações em que a palavra escrita está presente e é necessária para interagir socialmente, antes mesmo de qualquer adulto dizer se devem ou não ser alfabetizadas nesse momento de escolarização. Como sujeitos e produtores de cultura, elas anseiam conhecer e tentam desvendar o que a escrita representa e como ela representa”, avalia Claudia Lemos Vóvio, professora do Departamento de Educação da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).


A questão que se apresenta então é o que a Educação Infantil pode fazer tanto com os desejos e interesses das crianças como com a bagagem de saberes que elas já construíram participando de práticas de letramento anteriores à escolarização.


“É preciso esclarecer o que chamamos de alfabetização. Se considerar que alfabetização é ensinar as relações entre sons e letras, e que para isso é preciso treinar a criança para reconhecer esses sons e estabelecer uma relação com sua forma gráfica, eu diria que há muitos contras em relação à alfabetização na Educação Infantil. No entanto, se considerar que alfabetização é um processo que começa muito antes de a criança ter acesso a práticas educativas na escola, independentemente da autorização dos adultos e da mediação de professores para ensiná-la a ler e a escrever, eu diria que há muitos prós. Diria mais ainda: que seria uma obrigação da Educação Infantil oferecer às crianças situações nas quais elas possam ver respondidas suas perguntas sobre o funcionamento da linguagem escrita, ampliar suas experiências em relação a essa linguagem e ser estimuladas a querer saber mais sobre ela”, pondera Mônica Correia Baptista, professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e pesquisadora do Centro de Alfabetização Leitura e Escrita (Ceale/UFMG).


Diante do fato de vivermos em uma cultura letrada, qual deve o ser papel desempenhado pela Educação Infantil? Para Magda Soares, a alfabetização é um processo que deve se iniciar já nessa etapa escolar, explorando a curiosidade que as crianças têm em relação à língua escrita: “Em geral, na Educação Infantil se tem feito uma separação entre letramento e alfabetização: entende-se que a criança deve se desenvolver no letramento, mas não iniciar a aprendizagem de conceitos sobre a língua escrita − o que são as letras, o que elas significam, por que representam sons e como os adultos transformam aqueles 'risquinhos' em palavras. Não é preciso esperar os 6 ou 7 anos e assim interromper a introdução à alfabetização da criança. Considero mesmo injusto impedir que ela continue um processo que já começou.”


No entanto, há que se atentar para as peculiaridades dessa fase do desenvolvimento infantil, alerta Silvia Colello, professora da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP). “A polarização pode gerar duas posturas extremas. De um lado, colocar crianças sentadas nas carteiras fazendo exercícios de coordenação motora, copiando e recitando maquinalmente o babebibobu, que não tem nenhum significado para elas. De outro, achar que a criança não deve ter contato com práticas de leitura e escrita de jeito nenhum, o que revela a falta da consciência do letramento. O papel da escola não pode ser o de brecar o conhecimento, mas incentivar a ampliação de experiências com base na realidade da criança, acompanhando esse processo e promovendo experiências significativas sobre a linguagem”, analisa a especialista.

1 2 3 
ÚLTIMAS REPORTAGENS

...
MAIS LIDAS
O desafio do Pnaic
Programa tem como desafio garantir que todas as crianças brasileiras até oito anos sejam alfabetizadas plenamente. Saiba mais.
Pnaic e formação de professores
Um dos quatro eixos do Programa é o investimento na formação continuada de professores alfabetizadores.
VEJA MAIS
Letramento cartográfico
Veja como trabalhar com mapas no Experimente "Jogar: uma estratégia de letramento cartográfico"
VOLTAR
COMENTÁRIO(S)
Faça login para comentar neste artigo, clique aqui!
OLINDAOLINDA disse em 16/06/2016 23h02
A pedagogia do amor se faz presente nas formas; de introduzir o afeto através de pequenos gestos,faça um circulo com os animais de pelúcia da criança,ofereça por exemplo uma fruta peça para a criança descascar,peça para criança contar quantos gomos a mixirica tem? Trabalharemos a linguagem oral e a matemática de forma lúdica e simples,explorando o seu universo,fazendo com que a criança tenha uma memória fotográfica de sua fase.etc...
ILANA FLAVIA ALMEIDA SILVA DE JESUSILANA FLAVIA ALMEIDA SILVA DE JESUS disse em 02/06/2016 17h20
Amei ler esses 3primeiros matériais.Muito enrequecedor para a formação docente. Será e já está sendo de suma importância o BNCC para os educadores e para educação. Fico cada dia mais contagiada e fascinada por ser uma educadora.Um papel tão importante que devemos nos dar conta a cada momento tentando e fazendo sempre o melhor para os nossos alunos serem o futuro deste mundo.
ILANA FLAVIA ALMEIDA SILVA DE JESUSILANA FLAVIA ALMEIDA SILVA DE JESUS disse em 02/06/2016 17h05
A educação deve sim ter esse olhar promissor de querer sempre ir além. Pois o lúdico, a saída das quartro paredes da sala de aula é de fundamental importância. O levar o faz de conta também pra dentro da sala de aula vai proporcionando ao seu aluno a ir sempre além. Buscando inovações sempre, acreditando que aprender brincando é possível sempre. E que nós como educadores temos a responsabilidade de fazer acontecer .
ILANA FLAVIA ALMEIDA SILVA DE JESUSILANA FLAVIA ALMEIDA SILVA DE JESUS disse em 02/06/2016 16h47
O processo ensino aprendizagem.Vem desde de cedo. Creio nesta teoria tb, pois se dou está oportunidade e tenho este desejo de ver o meu aulo crescer.Posso e devo fazer com que ele tenha assecessoao letramento.Mesmo sendo na educação infantil. aprender brincando sempre.
Licença Creative CommonsEste trabalho foi licenciado com
uma Licença Creative Commons
PARCERIAS