Compartilhar Facebook   
Favoritar
EM REVISTANOTÍCIAS — MEC APRESENTA PROPOSTA FINAL DA BASE NACIONAL CURRICULAR COMUM...

MEC apresenta proposta final da Base Nacional curricular Comum

O ministro da Educação, Mendonça Filho, entregou, nesta quinta-feira (6), a proposta de Base Nacional Comum Curricular (BNCC) ao Conselho Nacional de Educação (CNE). Na versão final da proposta, a alfabetização, que atualmente deve ser completada até o final do 3º ano do Ensino Fundamental, deverá ser feita até o 2º ano, quando a maioria das crianças tem 7 anos.


A definição antecipa o que está previsto em lei. O Plano Nacional de Educação (PNE) estabelece que todas as crianças sejam alfabetizadas até o 3º ano do Ensino Fundamental, até 2024. Um total de 77,8% das crianças, até 2014, tinha aprendizado adequado em leitura dentro desse prazo; 65,5%, em escrita; e, 42,9%, em matemática.


"[A antecipação] gera mais equidade, principalmente para famílias mais pobres. Famílias de classe média conseguem ter a criança alfabetizada em idade inferior à média das escolas públicas. A medida fixada na BNCC está assegurando o mesmo direito para as crianças que estudam em escolas públicas", disse o ministro da Educação, Mendonça Filho.


Mais mudanças
O texto define, ainda, dez competências gerais, que deverão ser desenvolvidas em todas as disciplinas ao longo da vida escolar do estudante. Entre essas competências, está a necessidade de as escolas serem capazes de fazer os estudantes se conhecerem, apreciar-se e cuidar da sua saúde física e mental, reconhecendo suas emoções e as dos outros. O objetivo é atingir a chamada formação humana integral.


Ainda na nova proposta, o ensino religioso não fará mais parte do currículo. O MEC alega respeitar a lei que determina que a disciplina seja optativa e sua regulamentação ser de competência de estados e municípios.


O conteúdo de História passa a ser organizado segundo a cronologia dos fatos, e o Inglês passa a ser o idioma obrigatório. Numa versão anterior do BNCC, as redes de ensino escolhiam a língua estrangeira que seria ministrada.


As escolas não trabalharão o conceito de gênero. De acordo com o MEC, o texto defende a pluralidade inclusive do ponto de vista de gênero, raça  e sexo.


Prazo para implementação
A previsão é de que o Conselho Nacional conclua a avaliação do documento até o segundo semestre deste ano. Uma vez aprovada, a BNCC será homologada pelo Ministério da Educação e terá suas diretrizes gerais seguidas por todas as escolas.


Após a homologação, as escolas terão dois anos para a implementação dos currículos. Estados, municípios e o Distrito Federal manterão sua autonomia, o que significa que poderão acrescentar conteúdos e competências.


Fonte/imagem: Agência Brasil

ULTIMAS PUBLICAÇÕES
Curso sobre mediação de leitura
O curso "Entre livros e leitores: o espaço da mediação" parte de uma das inquietações mais...
Instituto Pró-Livro lança Plataforma...
O Instituto Pró-Livro (IPL), criado pelas entidades do livro – Abrelivros, Câmara Brasileira do Livro (CBL) e...
MAIS LIDAS
Que personagem do Mapa da Literatura você...
Você já se perguntou que personagem da literatura brasileira você seria? Há várias figuras...
Novo ciclo do Pnaic
A terceira etapa do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa visa promover a educação integral das crianças.
VEJA MAIS
VOLTAR
COMENTÁRIO(S)
Faça login para comentar neste artigo, clique aqui!
Licença Creative CommonsEste trabalho foi licenciado com
uma Licença Creative Commons
PARCERIAS