Compartilhar Facebook   
Favoritar
EM REVISTAENTREVISTAS — ELIANE BRUM: A LEITURA E A ESCRITA COMO ESPAÇO DE ESCUTA...

Eliane Brum: a leitura e a escrita como espaço de escuta

Jornalista, escritora e documentarista, Eliane Brum nasceu em Ijuí, no Rio Grande do Sul. Formada pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC/RS), atuou 11 anos no jornal Zero Hora, de Porto Alegre, e, de 2000 a 2013, foi repórter especial da revista Época, em São Paulo, onde também manteve uma coluna semanal até setembro de 2013. Atualmente, é colunista do jornal El país.


No gênero reportagem, estreou em 1994 com o livro Coluna Prestes – O Avesso da Lenda (Porto Alegre: Artes e Ofícios) – no qual refez o trajeto da Coluna Prestes 25 anos depois e entrevistou remanescentes dos dois lados do conflito –, o que lhe rendeu o prêmio Açorianos de Literatura, como autora revelação. Posteriormente, publicou A vida que ninguém vê (Porto Alegre: Arquipélago Editorial, 2006), vencedor do Prêmio Jabuti 2007, e O olho da rua (Rio de Janeiro: Globo, 2008). Em 2013, publicou A menina quebrada (Porto Alegre: Arquipélago Editorial), uma coletânea de seus textos para a coluna na Época. Em 2011, escreveu o romance Uma duas (São Paulo: LeYa), sobre a relação mãe e filha. Como documentarista, estreou em 2006 com o curta Uma História Severina – contemplado com oito prêmios – e, em 2008, lançou Gretchen Filme Estrada.


Nesta entrevista, realizada pela Plataforma do Letramento, Eliane Brum defende o papel humanizador da leitura e da escrita ao possibilitar a revelação das singularidades de cada pessoa. Em seu ofício de "escutadeira e contadora de histórias", a jornalista destaca a importância da escuta do outro e de si mesmo ao transpor as histórias pessoais para a palavra escrita, preservando a oralidade, o ritmo e o sabor local da fala de seus interlocutores. A escritora também defende a importância de a escola acolher as diversidades, reconhecer-lhes o valor e promover o diálogo entre elas. Entendendo a narrativa como uma forma de cada um criar sentido para a vida, a autora afirma: “Nossa vida é nossa primeira ficção”.


Ouça a entrevista a seguir.


ÚLTIMAS ENTREVISTAS

...
MAIS LIDAS
Alfabetização e letramento
Em entrevista, Magda Soares, uma das maiores especialistas no tema, fala dos processos de...
Roxane Rojo fala de alfabetização e...
Nesta entrevista, Roxane Rojo, professora livre-docente do Departamento de Linguística Aplicada da...
VEJA MAIS
Letramentos e culturas juvenis
Artigo do antropólogo Alexandre Barbosa propõe reflete sobre a relação entre escola, jovens e novas tecnologias.
O direito de se alfabetizar...
Coluna do especialista Antônio Augusto Batista fala sobre o direito de se alfabetiza...
VOLTAR
COMENTÁRIO(S)
Faça login para comentar neste artigo, clique aqui!
Licença Creative CommonsEste trabalho foi licenciado com
uma Licença Creative Commons
PARCERIAS