Compartilhar Facebook   
Favoritar
EM REVISTACOLUNAS — MATEMÁTICA E LÍNGUA PORTUGUESA: UM INÍCIO DE CONVERSA...

Matemática e Língua Portuguesa: um início de conversa

Silvia Longato*


Se ninguém se julga incompetente para aprender a própria língua, ninguém deveria julgar-se incompetente para compreender os conteúdos da matemática escolar. (MACHADO, 2011.)


A epígrafe acima resume e, ao mesmo tempo, evidencia o que há algum tempo tem me levado a pesquisar, ler e refletir: o que a Matemática causa nas pessoas, mas, principalmente, nas que estão diretamente ligadas a seu ensino-aprendizagem? Como professora e, neste momento, atuando na formação continuada de Matemática para professores do 1º ao 9º ano do Ensino Fundamental, observo evidências de ações pedagógicas bem demarcadas e distintas, presentes em falas de educadores que afirmam se sentir “mais tranquilos”, “mais seguros” para discutir e compreender questões relacionadas ao ensino de Língua Portuguesa do que ao de Matemática.


Esse posicionamento é compreensível e se justifica pelo fato de terem ocorrido grandes investimentos de políticas públicas, principalmente relacionadas à formação de docentes dos anos iniciais em Língua Portuguesa, tanto no âmbito nacional, quanto no estadual e no municipal, na direção de levá-los a analisar e acompanhar as aprendizagens dos estudantes.


Outra questão a apontar, talvez, seja o fato de nós, professores, sermos “usuários da língua”, ainda que, em geral, não sejamos necessariamente leitores competentes e críticos, nem escritores (no sentido amplo e não restrito, é lógico!), e ainda que não extrapolemos os usos cotidianos, uma vez que dominamos pouco os usos públicos da língua. Assim, dialogando com a epígrafe, a familiaridade com a língua diz respeito à sua modalidade oral, principalmente em seus usos cotidianos, o que é suficiente para viver em sociedade, mas está longe do letramento que se pretende numa sociedade da informação, do conhecimento, e ainda mais distante do que é necessário para o exercício da docência nos ciclos iniciais do Ensino Fundamental.


Há ainda outro aspecto que se refere à formação inicial do professor, pois nos cursos de Pedagogia não se aprofundam os conhecimentos teórico-metodológicos de nenhuma área do conhecimento de maneira que se permita compreender as questões relacionadas ao ensino e, principalmente, à aprendizagem.


No entanto, a discussão que quero propor aqui vai em outra direção. Para isso, volto ao trecho da epígrafe: “ninguém deveria julgar-se incompetente para compreender os conteúdos da matemática escolar”. Eis aqui a inquietude que “move” este artigo, pois como podemos pensar nessa incompetência se considerarmos os vários discursos afirmando que “a matemática está presente no cotidiano das pessoas”, que “as atividades práticas, concretas são excelentes maneiras para desenvolver os conteúdos matemáticos”, que “há ‘maravilhosos’ jogos a ser aplicados na sala de aula para ajudar os alunos a aprender”? Esses discursos naturalizam a presença da Matemática e a sua compreensão pelas pessoas, de um modo geral. Todos esses exemplos, que aparecem na fala de muitos professores, são importantes pistas sobre “modelos” de ensino, ou seja, permitem nos aproximar de práticas em sala de aula e das concepções dos professores sobre o ensino de Matemática. Resumindo, são “fazeres” repetidos, atividades isoladas, descontextualizadas, discursos usados para dar “segurança”, que se apoiam em conhecimentos relacionados ao senso comum das pessoas, perante uma área que não dominam com profundidade.


Para complementar, diria que esses “fazeres” determinam posturas e orientam a ação pedagógica em função das características atribuídas à Matemática, como ser “exata”, “abstrata”, “justificar-se pelas aplicações práticas”, “desenvolver o raciocínio”. Essas questões merecem atenção na formação continuada, não só como objeto de reflexão sobre essa prática, mas também para os estudos e investimentos que o professor precisa fazer tendo em vista seu desenvolvimento pessoal e profissional.


A questão que surge é: como sair do estágio de incompetência para compreender os conteúdos da Matemática escolar e caminhar para afirmações do tipo “ser mais tranquilo e seguro”, à semelhança do que ocorre em relação à Língua Portuguesa? Com base nesse questionamento, nessa inquietude, retomo minha experiência pessoal, como profissional em sala de aula e, posteriormente, realizando um trabalho de assessoria em Matemática, da Educação Infantil até o Ensino Fundamental, por um período de cinco anos, no município de Cajamar, situado no estado de São Paulo.


Esse caminho percorrido, tanto na sala de aula como na assessoria, permitiu-me relacionar os estudos e reflexões sobre alfabetização, letramento e ensino de Língua Portuguesa aos processos de ensino-aprendizagem em Matemática. Permitiu-me também perceber que a distância entre ensinar e aprender em Língua Portuguesa ou em Matemática está relacionada a seus objetos, ou seja, aos conteúdos que estruturam cada uma dessas áreas, o que é preciso garantir em suas especificidades.


Na ação pedagógica referente às áreas de Matemática e Língua Portuguesa, na gestão da sala de aula, considero que há aspectos mais convergentes do que divergentes. Convergentes quando, ao encaminhar a leitura de um texto matemático (enunciados de problemas, tabelas, gráficos, figuras geométricas, entre outros), também podemos trabalhar estratégias de leitura, como selecionar, antecipar, localizar, inferir, avaliar informações para que o caminho que leva à compreensão ocorra em um processo, que é ensinado e que é aprendido, por meio da experiência leitora de professores e alunos.


Para ampliar o que venho discutindo neste artigo, volto a trazer Machado (2011):


A maior proximidade entre a técnica e o significado parece ser o recurso decisivo de que se utiliza a Língua para disseminar a impressão generalizada de que, em sua seara, os problemas de natureza pedagógica são mais simples ou têm soluções mais factíveis do que no caso da Matemática. Na verdade, as questões envolvidas num e noutro caso são estruturalmente idênticas, tendo o mesmo grau de complexidade epistemológica. As soluções intentadas é que são significativamente distintas e, nesse sentido, a julgar pelas dificuldades crônicas com as quais convive seu ensino, à Matemática caberia dar o passo decisivo no sentido da aproximação das estratégias desenvolvidas no caso da língua materna.


Enfatizando o trecho “à Matemática caberia dar o passo decisivo no sentido da aproximação das estratégias desenvolvidas no caso da língua materna”, aproximar as estratégias desenvolvidas na língua materna ao ensino da Matemática significa ter acesso e compreender inicialmente qual concepção de ensino-aprendizagem e de sujeito embasa e orienta as referidas práticas em Língua Portuguesa. Além disso, é preciso superar o entendimento de que leitura, escrita e oralidade são “coisas de Língua Portuguesa”. Entendo ser esses eixos responsabilidades de todas as áreas do conhecimento.


Mas o objetivo aqui é encaminhar a reflexão para os processos pedagógicos que acontecem na sala de aula, nas estratégias desenvolvidas, no ensino-aprendizagem de Língua Portuguesa, bem como em Matemática, e é esse lugar – a sala de aula – que considero o ponto de convergência entre essas áreas.


Defendo que, a partir da perspectiva da resolução de problemas, é preciso romper com a ideia de que “a Matemática é algo que se faz, não alguma coisa de se entender” (POWELL; BAIRRAL, 2006). Trata-se de um processo metodológico que se deseja ver aplicado na sala de aula para desenvolver um tema/conteúdo matemático. Não significa, no entanto, tratar-se apenas de formas “para resolver um problema”, significa considerar e dar sentido ao que os alunos já sabem, pois isso, na prática tradicional, não acontece, e, com base nesse reconhecimento, é preciso gerenciar um processo construtivo, que se fortalece na interação sujeito-sujeito e sujeito-objeto de conhecimento.


Tomando-se como ponto de partida que “... a língua deve ser entendida não como um todo uniforme e acabado, presa a regras fixas, mas como um processo de interação verbal, oral ou escrita, por meio do qual ela se constitui, flexível e mutável, pelo uso que dela fazem seus interlocutores” (Cenpec, 2006), pode-se estabelecer uma aproximação possível entre a perspectiva metodológica de resolução de problemas no ensino-aprendizagem de Matemática e a concepção de linguagem, uma vez que em ambas se considera o sujeito − aluno – partícipe do processo de ensino-aprendizagem, baseado no diálogo, na interação entre sujeitos e entre sujeito e objeto de conhecimento.


Pensar em um ensino que se dá por meio da resolução de problemas (agora, não necessariamente em Matemática) é permitir aos alunos desenvolver sua capacidade de aprender a aprender, não esperar respostas prontas, enfrentar a aprendizagem como um problema, o que implica passar por um processo de reflexão e tomada de decisão quanto ao caminho a ser escolhido ou utilizado para resolvê-lo. É, portanto, assumir uma postura (tanto professor como aluno) de inconformismo diante dos obstáculos, possibilitando atitudes que contribuam para o desenvolvimento do senso crítico e da criatividade.

Referências bibliográficas:


MACHADO, J. N. Matemática e língua materna: análise de uma impregnação mútua. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2011.


POWELL, Arthur; BAIRRAL, Marcelo. A escrita e o pensamento matemático: interações e potencialidades. Campinas: Papirus, 2006. (Coleção Perspectivas em Educação Matemática.)


Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec). Estudar pra valer! Módulo Introdutório. São Paulo, 2006.

* Educadora especialista em Educação Matemática e formadora do Projeto Aceleração da Aprendizagem.


Acesse ao material "Letramento e Numeramento: educação matemáticas práticas de leitura", produzido por Maria da Conceição Fonseca, da Universidade Federal de Minas Gerais e Coordenadora do Grupo de Estudos sobre Numeramento (GEN). Clique aqui.


 


 

ÚLTIMAS COLUNAS

...
MAIS LIDAS
Literatura infantil lúdica
Coluna aborda a importância de se trabalhar a literatura infantil de maneira lúdica e prazerosa.
Família e escola, responsabilidades...
Raimunda Alves Melo* Nos últimos anos, tem-se discutido bastante sobre a relação família e escola e...
VEJA MAIS
Especial multimídia
Conheça o material Práticas de leitura na escola.
VOLTAR
COMENTÁRIO(S)
Faça login para comentar neste artigo, clique aqui!
MÉRELLYM GOMES GUERRAMÉRELLYM GOMES GUERRA disse em 15/03/2017 11h58
Silvia querida, excelente artigo onde coloca a matemática como campo de aprendizado na leitura oral e escrita de forma prazerosa no ensino e na aprendizagem.
LÍCIA MARIALÍCIA MARIA disse em 06/07/2016 22h02
Seu material é excelente! Obrigada por ter compartilhado!
LÍCIA MARIALÍCIA MARIA disse em 06/07/2016 22h02
Seu material é excelente! Obrigada por ter compartilhado!
EDUARDOEDUARDO disse em 06/01/2016 12h31
Estou finalizando o mestrado em educação na linha de pesquisa políticas públicas, e o tema da minha dissertação é a implicação das políticas de alfabetização no ensino da matemática nos anos iniciais do ensino fundamental. Achei o seu texto muito interessante e utilizei-o como referência. Obrigado!
WALMIRA DE NAZARÉ FERREIRAWALMIRA DE NAZARÉ FERREIRA disse em 11/09/2015 10h06
Silvia, achei espetacular as formas como você desenvolveu.Gostaria de entrar em contato com você!!!
LUCIANALUCIANA disse em 20/08/2015 20h15
Silvia,o que você escreveu sobre matemática é real.Estou cursando pedagogia EAD e trabalho com reforço escolar ,sei como as crianças tem dificuldade de interpretação em problemas .Parabéns!
HELOISAHELOISA disse em 03/08/2014 19h06
Querida Silvia, Que belo artigo cheio de verdades! Aqui do meu lado da língua portuguesa, confirmo: você é da razão, mas também da compreensão das linguagens. Uma combinação rara. Beijos e saudades de você e de todas, Helô
VERA LUCIAVERA LUCIA disse em 01/08/2014 10h24
Silvia, amiga de longo tempo. Você abordou no seu artigo aspectos fundamentais referentes ao processo de aprendizagem do aluno e na formação do professor. Os eixos - leitura, escrita e oralidade favorecem a articulação das áreas do conhecimentos - " tudo junto e misturado". Mudar o olhar do professor nesta perspectiva e o forte da sua matéria . Parabéns!! Saudades.
BRAIMABRAIMA disse em 01/08/2014 10h12
Silvia, gostei da matéria. A mesma mostra as dificuldades, o que deve ser feito, o que está sendo trabalhado e como chegar ao sucesso dos envolvidos. A matemática, leva uma insegurança nos alunos, traz medo, isso porque muitos ou a maioria, não está preparada para enfrentar os conteúdos. E ai que entram as novas e modernas ferramentas do ensinamento. A formação continuada, a leitura são uma dessas ferramentas.
PLATAFORMAPLATAFORMA respondeu em 07/08/2014 12h33
Braima, é muito bom recebermos retorno dos educadores a respeito dessa discussão. Como a professora Silvia sugere já em seu título, esse é o começo de uma conversa que é necessário estender e envolver o maior número de educadores, não apenas da Língua Portuguesa e da Matemática. Por favor, fique atento, pois voltaremos a abordar a questão.
EDNAEDNA disse em 29/07/2014 10h24
Cara parceira - foram inúmeros os projetos, envolvendo formação de professores que ensinam Matemática, que juntas desenvolvemos e aprendemos muito....Penso ser muito promissor para a prática do formador/professor, trabalhar a resolução de problema levando em conta essa dimensão, a competência leitora no âmbito dessa Ciência. Parabéns!!!!
SANDRA REGINA CORREASANDRA REGINA CORREA disse em 28/07/2014 23h31
Silvia é sempre um prazer ler um artigo que aborde a importância da leitura, da escrita e da oralidade nas aulas de Matemática. “Ser um leitor em Matemática permite compreender outras ciências e fatos da realidade, além de perceber relações entre diferentes tipos de textos” Smole e Diniz (2001, p.80). Parabéns!
MARLENEMARLENE disse em 28/07/2014 19h53
Silvia, Amei esse início de conversa... Realmente há muitos mitos em relação à aprendizagem da matemática... Quantos fantasmas povoam as mentes das pessoas... Seu texto abre uma interlocução muito importante, para espantarmos esses fantasmas... Abraços, Marlene
Licença Creative CommonsEste trabalho foi licenciado com
uma Licença Creative Commons
PARCERIAS