Compartilhar Facebook   
Favoritar
EM REVISTACOLUNAS

Dentro de uma história de mentira

Jorge Miguel Marinho* O que havia dentro de um livro?, o menino imaginou. O que acontecia dentro das palavras que viviam dentro de um livro?, ele pensou quase soletrando a frase. O que existia dentro do seu nome?, perguntou ao seu rosto dentro do espelho. Ele era um garoto vivendo dentro de uma curiosidade assustada demais para quem tinha apenas sete anos e um pouco mais de tempo e até gostava da sua timidez que parecia prometer um destino solitário e feliz... E até...

LEIA MAIS

O papel dos gestores municipais piauienses na implementação do Pnaic

Raimunda Alves Melo*  A alfabetização de crianças tem se constituído em um dos principais desafios das políticas educacionais, no intuito de criar as condições adequadas para a aprendizagem de leitura, escrita e matemática. Nesse sentido, em 2012, foi instituído o Pacto Nacional pela...

LEIA MAIS

Dentro da palavra “professora”

Jorge Miguel Marinho* Essa minha descoberta aconteceu em Lavrinhas, lá perto e bem perto de Cruzeiro do Sul, ao norte de todas as minhas revelações. Dia sim, dia não, de manhã ou de tarde, nunca deixo de ir lá, cultivo a minha descoberta, é um trabalho de jardinagem. De palavras. A minha descoberta se chama Telma e, como um nome está dentro de todos os nomes, atende pelo chamado só de professora. Ela se sente sempre chamada pelas...

LEIA MAIS

Nas trilhas da formação do professor alfabetizador

Claudia Lemos Vóvio* Faz muitos anos desde que iniciei minha trajetória na educação escolar, aos 6 anos de idade. Recordo com carinho de dona Maria Helena, responsável por minha alfabetização. Amorosa e cordata com seus alunos, impossível imaginá-la em outro ofício que não a docência. Mas como seria isso para ela nos dias de hoje? Sem dúvida, encontraria muitas diferenças, não só na...

LEIA MAIS

A Rua da Esperança

Jorge Miguel Marinho* Eu estava querendo conversar com meu avô, mas ele estava com um livro na mão e já não me escutava direito. Engraçado é que ele tinha desaprendido a ler e eu nunca tinha visto meu avô com um livro, mas nesse dia parecia que ele sabia ou adivinhava o que havia dentro do livro. Acariciava a capa, percorria com o dedo indicador a lombada, gostava de cheirar o livro com os olhos fechados, abria uma página ao acaso, passava o...

LEIA MAIS

Canção é explosão!

Paulo Padilha* Forma de expressão que une música e poesia, a canção é explosiva! Por estar tão visceralmente vinculada à alma do povo brasileiro, ela é um bem cultural comum, que une gerações, cria vínculos, quebra gelo, abre portas e janelas. É nosso Flautista de Hamelin, capaz de penetrar no quarto do adolescente solitário e apresentar-lhe um mundo de novas possibilidades. A canção...

LEIA MAIS

Território do Brincar: uma poética pelos olhos da infância

Camila Teresa da Silva*Elni Elisa Willms**  Para exprimir-se, utilize as coisas ao seu redor, as imagens de seus sonhos e os objetos de suas lembranças. Se a própria existência cotidiana lhe parecer pobre, não a acuse. Acuse a si mesmo, diga a si mesmo que não é bastante poeta para extrair as suas riquezas. Para o criador, com...

LEIA MAIS

Articulação dos conhecimentos escolares aos saberes da cultura camponesa

Raimunda Alves Melo* Conta uma parábola que certo professor, interessado em saberes culturais diversos, procurava na sua prática de pesquisa e docência descobrir os segredos que fundamentavam os comportamentos e as opiniões das pessoas. Um dia, nas andanças da vida, foi a uma comunidade rural para participar de uma reunião a respeito...

LEIA MAIS

Escrever para alguém

Jorge Miguel Marinho*Escrever para alguém é quase sempre uma necessidade tão humana de aproximara mão que escreve dos olhos de quem lê. Mário de Andrade confessa: “Ninguém escreve para si, a não ser um monstro de orgulho. A gente escreve para ser amado, para atrair, para encantar”. E Anatol Rosenfeld humaniza: “Em todo verdadeiro ato de comunicação, enquanto permaneço eu, preciso assumir o papel...

LEIA MAIS

No escurinho do cinema

Jorge Miguel Marinho* Os minicontos, com brevidade, estão sempre com a câmera ligada para captar sentimentos enormes: a solidão, a amizade, a despedida, a paixão, a espera. Por isso mesmo, eles adoram dar um take na magia do cinema. É como se essas narrativas fotográficas fizessem uma parceria com a arte cinematográfica e decidissem criar shortcuts. O resultado é um feliz casamento da imagem visual com a precisão instantânea da...

LEIA MAIS
1 2 3 4 5 
Licença Creative CommonsEste trabalho foi licenciado com
uma Licença Creative Commons
PARCERIAS