Compartilhar Facebook   
Favoritar
EM REVISTACOLUNAS — DENTRO DA PALAVRA “PROFESSORA”...

Dentro da palavra “professora”

Jorge Miguel Marinho*


Essa minha descoberta aconteceu em Lavrinhas, lá perto e bem perto de Cruzeiro do Sul, ao norte de todas as minhas revelações. Dia sim, dia não, de manhã ou de tarde, nunca deixo de ir lá, cultivo a minha descoberta, é um trabalho de jardinagem. De palavras.


A minha descoberta se chama Telma e, como um nome está dentro de todos os nomes, atende pelo chamado só de professora. Ela se sente sempre chamada pelas crianças e pelos personagens que ela inventa. A professora Telma quase não tem mais nome, nem precisa, ela é professora.


As palavras se embaralham, brincam e jogam com outras palavras, a vida se descobre todo dia, às vezes se encanta, às vezes se assusta. Essa minha descoberta não é só minha, é da professora, mas aqui ninguém é dono de nada, é proibido mandar no reino de todas as coisas e no reino de coisa nenhuma. É um lugar de coisas grandes e pequenas, todas do mesmo tamanho, do tamanho do céu e das curvas de uma ideia, do pensamento das palavras. Essa é outra descoberta da professora, é ela.


Um dia é dia de sol, outro dia é dia de chuva, todo dia é dia de gente, de dores e de alegrias. E as dores são bem-vindas, as alegrias esperadas, o que conta é o que não se obriga. Tudo acontece e tem dia que acontece tanta coisa que é preciso esquecer para guardar o lugar da próxima descoberta.


A palavra preferida da professora Telma é inventário. Penso comigo que é porque ela gosta de inventar coisas para sempre. E as crianças entram nessa outra descoberta e ficam inventando o que parece que não existe na cabeça das outras pessoas, mas existe dentro de um livro. E dentro da vida, que é melhor ainda.


Um dia desses, uma criança mais atrevida olhou dentro da palavra professora e achou o nome dela, um outro nome. Não disse para ninguém, tem descoberta que é só minha.



* Jorge Miguel Marinho é professor de Literatura Brasileira com pós-graduação pela Universidade de São Paulo (USP), coordenador de oficinas de criação literária, dramaturgo, roteirista, ator, pesquisador de componentes lúdicos na crítica literária com os livros Nem tudo que é sólido desmancha no ar – ensaios de peso e A convite das palavras – motivações para ler, escrever e criar, autor de livros de ficção literária, entre eles, Te dou a lua amanhã – uma biofantasia de Mário de Andrade e  Lis no peito – um livro que pede perdão, premiados com o Jabuti.


_____________________________________________  
Leia outros textos desta coluna:  
A Rua da Esperança
Escrever para alguém
No escurinho do cinema
Minicontos de graça
Amor, essa palavra...
Breves contos, contos breves

O imaginário de todos nós

O leitor que eu imagino
Escrever para lembrar
Querido diário
A Literatura Fantástica é fantástica
Cartas sensíveis e sentimentais
 
A ficção é realidade 

O leitor – de criatura a criador

Fabulação: um mundo onde todos sonham

ÚLTIMAS COLUNAS

...
MAIS LIDAS
Literatura infantil lúdica
Coluna aborda a importância de se trabalhar a literatura infantil de maneira lúdica e prazerosa.
Sobre novos e multiletramentos, culturas...
Jacqueline P. Barbosa* Embora seja uma quase unanimidade dizer que as tecnologias digitais de comunicação e...
VEJA MAIS
Especial multimídia
Conheça o material Práticas de leitura na escola.
VOLTAR
COMENTÁRIO(S)
Faça login para comentar neste artigo, clique aqui!
TELMA CRISTINATELMA CRISTINA disse em 21/06/2019 00h12
É 21 de junho de 2019. Hoje estou bem triste, Jorge, Não verei mais aqui a tua palavra!
JOSIANE DE JESUS SILVAJOSIANE DE JESUS SILVA disse em 23/10/2015 17h32
E gratificante saber que alguém ainda tem essa sensibilidade de homenagear essa profissional que a professora Telma, e não só por ela e sim por todos nós que abraçamos essa carreira belíssima
SIMONE LIMA N.SIMONE LIMA N. disse em 20/10/2015 19h46
Parabéns Telma e a todos os professores"artesãos de gente" (achei belíssima e profunda essa colocação). A todos nós que temos nas mãos; a responsabilidade de arar, educar e iluminar muitas flores.A você professor Jorge, parabéns pelo trabalho e tamanha sensibilidade.sensibilidade. Beijos floristas do nosso Brasil.
NÚBIA DE CÁSSIANÚBIA DE CÁSSIA disse em 19/10/2015 11h32
Linda homenagem. Parabéns professora Telma pelo seu trabalho que tem servido de inspiração.
TELMA CRISTINATELMA CRISTINA disse em 16/10/2015 00h32
Quanta sensibilidade e generosidade! Jorge, recebi hoje o maior presente da minha vida de professora!
Licença Creative CommonsEste trabalho foi licenciado com
uma Licença Creative Commons
PARCERIAS