Compartilhar Facebook   
Favoritar
ACERVOEXPERIMENTE — MERGULHAR NO UNIVERSO DOS QUADRINHOS...

Mergulhar no universo dos quadrinhos


Sugestão de encaminhamento:

1. Leitura de tirinhas
A ideia é preparar a leitura coletiva de uma série de tirinhas para discutir com os alunos a construção da narrativa, o efeito de humor e os recursos gráficos e linguísticos utilizados para isso. Selecionamos alguns exemplos e sugerimos perguntas a serem feitas aos alunos. Clique sobre o boxe para acessar a tirinha.


- Antes da leitura coletiva (roda de leitura):
• Vocês conhecem a Turma da Mônica?
• Vocês já leram gibis dela?
• Quem são os personagens principais?

(O conhecimento prévio sobre a Turma da Mônica e seus personagens é importante para compreender a tirinha e seu efeito de humor. Caso os alunos não conheçam, você pode contar sobre a turma ou propor-lhes uma pesquisa. Caso alguns alunos não conheçam, uns podem contar aos outros. Você pode levar gibis e mostrar à turma.)

- Após a leitura da tirinha:
• Quem são as personagens da tirinha?
• Qual é a característica mais conhecida da Magali?
• O que ocorre no segundo quadrinho?
• Como você sabe disso?
• O que significa “nhoc”? Por que há gotinhas em volta de “nhoc”? Por que você acha que “nhoc” ocupa todo o segundo quadrinho?
• Quando alguém pede uma “mordidinha”, o que você espera que aconteça? O que aconteceu na tirinha?
• Por que a fala “gulosa” está em tamanho maior que as outras dos balões do primeiro quadrinho? E por que o desenho do balão desta fala está diferente?

Você pode propor que os alunos recontem a tirinha do jeito deles, para que retomem a sequência narrativa.
Após a exploração da sequência narrativa da tirinha, é interessante explorar com os alunos a onomatopeia “nhoc” e a relação grafema-fonema em nossa escrita alfabética. Por exemplo, escreva na lousa: NHOC GULOSA

Questione os alunos sobre a onomatopeia. O que ela representa? O interessante é mostrar que a onomatopeia imita um barulho, um ruído, que, no caso da tirinha, significa que Magali abocanhou o sorvete todo e o Cebolinha. Já “gulosa” não representa um barulho, mas uma palavra de nossa língua, a fala do Cebolinha. Você pode questionar: por que Magali falou “nhoc” no segundo quadrinho? Você pode colocar outros exemplos na lousa ou pedir exemplos de onomatopeias para os alunos.

Traga mais tirinhas, tanto para leitura e discussão coletiva, quanto para o trabalho em pequenos grupos. É interessante trazer jornais impressos e mostrar em que caderno do jornal as tirinhas costumam ser publicadas. Você pode trazer tirinhas de personagens ainda desconhecidos pelos alunos. Clique aqui para ler outros exemplos com indicação de perguntas que ajudam o grupo a construir o sentido de cada tirinha. 


2. Pesquisa e seleção de tirinhas
Os alunos podem ser separados em grupos para pesquisar e escolher uma tirinha preferida do grupo. Eles podem pesquisar em jornais, coletâneas, gibis e na internet. Se a turma for fazer a coletânea em um caderno, o grupo deve imprimir, xerocar ou recortar a tirinha escolhida, ler e mostrar para a turma, dizendo por que gostaram da tirinha selecionada. Caso tudo seja feito pelo computador, o grupo deve colocar a tirinha em arquivo do editor de texto.

Se houver interesse da turma, vocês podem criar coletivamente uma tirinha para compor a coletânea. Para isso, é preciso definir:
• Personagens – chame a atenção dos alunos para o fato de que poucos personagens aparecem em cada tirinha; definam características das personagens criadas.
• Enredo – é preciso definir o que vai acontecer na tirinha. Relembre as tirinhas lidas e mostre que, para ter m efeito de humor, algo inesperado, fora do comum deve acontecer.
• Sequência narrativa em quadrinhos – é preciso definir o que aparece em cada quadro para contar a história. Delimite uma quantidade de 3 a 5 quadrinhos para a tira. E lembre a turma de que não é tudo que precisa ser contado explicitamente na tira.
• Aspectos gráficos – desenhar as personagens, o cenário, os balões, o estilo e tamanho das letras, as cores etc. Você pode preparar previamente cartazes com os tipos de balão e seus significados.
• Revisão – tanto os aspectos verbais (ortografia, pontuação etc.) quanto os visuais (cores escolhidas, cenários, formato de balões, tamanho das letras etc.) devem ser revisados coletivamente.
Após a produção de uma tirinha coletiva, tendo você como escriba, os alunos podem usar os mesmos personagens para criar outras tirinhas.

1 2 3 
MAIS EXPERIMENTE
Fazer um jornal mural
O registro cotidiano de fatos relevantes para uma comunidade é uma prática...
Criar nanocontos com a turma
Muitas vezes, ao trabalhar gêneros literários em sala de aula, temos...
Ler infográficos na sala de aula
A leitura não é uma habilidade neutra e uniforme que, uma vez aprendida,...
Criar fanzines e compartilhar...
Início de conversa: “Faça você mesmo, faça para entender,...
Trocar mensagens ontem e hoje
A troca de cartas pessoais caiu em desuso nos dias de hoje. Mas a prática de trocar...
VOLTAR
COMENTÁRIO(S)
Faça login para comentar neste artigo, clique aqui!
RITARITA disse em 30/03/2016 19h58
Adorei!!!! Já havia desenvolvido um projeto um pouco parecido. Agora irei ampliar as minhas ações.
CLAUDINEACLAUDINEA disse em 21/05/2014 16h32
Adorei! Com certeza irá auxiliar muito no planejamento das aulas do 2º ano/ciclo inicial da EMEB Profº Pedro Augusto Gomes Cardim, escola em que eu ou professora. Fica no município de São Bernardo do Campo.
PLATAFORMAPLATAFORMA respondeu em 22/05/2014 12h15
Que bom, Claudineia! Veja também a entrevista com o quadrinista Rodrigo Bueno (http://bit.ly/1gTi7U7). É um jeito bacana de ampliar a atividade com os alunos. Abs!
Licença Creative CommonsEste trabalho foi licenciado com
uma Licença Creative Commons
PARCERIAS