Compartilhar Facebook   
Favoritar
ACERVOEXPERIMENTE — CONTA OUTRA: MITOS E LENDAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS...

Conta outra: mitos e lendas no ensino de Ciências


Roda de estórias
No dia do evento, prepare o espaço com a turma de forma a torná-lo bem bonito e aconchegante. Se possível, traga ou peça para os estudantes trazerem almofadas, tecidos coloridos e objetos relacionados ao universo das narrativas, além dos desenhos criados pelos alunos. Você pode selecionar músicas instrumentais que tenham relação com as histórias a ser apresentadas ou trazer alguns instrumentos de percussão (tambores, chocalhos, maracas, reco-recos etc.) para criar o ambiente sonoro. Depois de ouvirem todas as narrativas, peça que os alunos escolham uma entre todas as contadas. A escolha deve ser feita com base no encantamento e na empatia que despertou na turma. É importante que o professor evite interferências nesse momento, para que os alunos se sintam à vontade na escolha.
Depois disso, parte-se para a pesquisa sobre o local de origem dessa narrativa. Sugerimos uma pesquisa simples em que os alunos buscam levantar informações sobre geografia, ambiente, cultura, história etc. do local. O professor pode complementar trazendo materiais como mapas, vídeos, textos que contribuam para esse estudo.
Ao final dessa pesquisa, o professor deve selecionar o conteúdo de Ciências que pretende trabalhar, buscando contextualizar o conteúdo específico da área ao local estudado pelos alunos.
Um exemplo prático: na escolha de uma lenda de origem do povo banto, pode-se pesquisar sobre o local onde vive essa população, sua história, cultura e sua relação com o ambiente. Com base nisso, o professor pode trabalhar conteúdos como: caracterização de ecossistemas; importância dos rios para uma comunidade tradicional; e até a relação deste povo com os astros, relacionando com o estudo da astronomia.
As questões culturais vão aparecendo naturalmente e os alunos conseguem visualizar como a estrutura social, política e econômica de um povo está diretamente ligada à forma como esse povo se relaciona ao lugar em que vive e como as características deste lugar influenciam na cultura dessa população.
É importante frisar que a leitura de mitos e lendas traz para sala de aula a possibilidade de um olhar mais humanitário sobre o conhecimento. Esse tipo de literatura costuma contemplar aspectos do comportamento humano e é preciso que o professor também abra espaço para esse tipo de discussão. Essa abordagem pode, inclusive, permear aspectos históricos de um povo, como violência e domínio sociocultural.

1 2 3 
MAIS EXPERIMENTE
Criar nanocontos com a turma
Muitas vezes, ao trabalhar gêneros literários em sala de aula, temos...
Fazer um jornal mural
O registro cotidiano de fatos relevantes para uma comunidade é uma prática...
Organizar um baile de Carnaval
A origem do Carnaval remonta a celebrações pagãs...
Produzir um telejornal com a cara...
Quando um educador problematiza o ambiente educativo em que está inserido −...
Conhecer pessoas por e-mail
As Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) alteraram...
VOLTAR
COMENTÁRIO(S)
Faça login para comentar neste artigo, clique aqui!
SUZI MARIASUZI MARIA disse em 25/10/2020 22h10
Essa parte de trabalhar com literatura indígena é fundamental e não só "no mês do índio", como algumas pessoas falam. É fundamental trabalhar várias vezes ao longo do ano letivo. Importante também é sempre dar visibilidade ao índio, assim como negros e não somente brancos. A revista Vogue brasileira de setembro trouxe um especial sobre arte indígena e outros assuntos bem bacanas relacionados a isso. Fotos fantásticas. É possível ver um pouco no Google que também encaminha para a leitura de partes da revista. Super recomendo!
ANA MARIAANA MARIA disse em 06/03/2017 19h17
Que maravilhosa ideia de trabalhar mitos e lendas interdisciplinando com Ciências. Esses conteúdos dão prazer, gera curiosidade e aguça o interesse dos alunos.
PLATAFORMAPLATAFORMA respondeu em 14/03/2017 13h02
Que bacana, Ana Maria! Esperamos que realize um bom trabalho. :)
Licença Creative CommonsEste trabalho foi licenciado com
uma Licença Creative Commons
PARCERIAS