Compartilhar Facebook   
Favoritar
ACERVOEXPERIMENTE — REFRESCAR A CUCA NA MATEMÁTICA...

Refrescar a cuca na Matemática

Início de conversa
Trabalhar com jogos na sala de aula tem se revelado um importante recurso, que, aliado ao processo de ensino-aprendizagem, permite desencadear habilidades como: reconhecer diferentes estratégias, antecipar resultados, construir esquemas, adequar táticas anteriores, analisar, refutar e validar ações, entre outras. Essas habilidades são essenciais para desenvolver conceitos em qualquer área do conhecimento.


Aluno e professor: parceiros no jogo de ensinar e aprender
Quando nos referimos à sala de aula, não poderíamos deixar de citar os dois sujeitos da relação: aluno e professor. Os objetivos podem ser diferentes para cada protagonista, porém o ponto de chegada será o mesmo, a aprendizagem.
Ao docente, a situação de jogo permite verificar quais estratégias são aplicadas quando surgem situações-problema que “obrigam” os estudantes a encontrar uma solução. Verificar o raciocínio utilizado, a interação entre os jogadores, o recurso aos conceitos já trabalhados, os registros produzidos são importantes observações sobre a aprendizagem dos alunos. Analisar essas observações pode auxiliar o docente a planejar intervenções que vão ao encontro das necessidades dos discentes, tendo em vista o objeto que busca ensinar.
Ao aluno, jogar dá a oportunidade de resolver problemas da sua maneira, investigar e descobrir as melhores jogadas, refletir e analisar as regras, estabelecer relações entre os elementos do jogo e os conceitos abordados.


O jogo em ação: habilidades, estratégias e avaliação das aprendizagens
Então, o que isso significa? Significa que os alunos se deparam com situações que os levam a tomar decisões rápidas, mas que precisam de planejamento para garantir que continuem jogando. Após escolher e executar a estratégia, os estudantes são provocados a analisar suas decisões e seu percurso, decidir se permanecem ou, dependendo do resultado, se retomam e escolhem um novo caminho.
A dinâmica pela qual professores e alunos passam é rápida e exige de quem joga capacidades de análise, tomada de decisão, escolha de estratégias e avaliação permanente de todo o processo demandado pelo jogo.


E a Matemática nisso tudo?
As habilidades desencadeadas por esse recurso didático são importantes para o ensino-aprendizagem da Matemática. Trabalhar com jogos nas aulas propicia a apresentação de conceitos e conteúdos específicos de maneira informal, aproximando-a dos conhecimentos de senso comum de cada aluno.
A situação de jogo, o desenrolar das etapas, as observações das jogadas feitas pelos demais colegas, os enfrentamentos, a leitura das regras, as previsões e conjecturas dos resultados poderão justificar algumas propriedades da Matemática formal. Ao professor cabe atentar para esses momentos e sistematizar os conhecimentos que são expostos no momento do jogo.
Não é o ato de jogar que faz os alunos aprenderem Matemática. São as intenções, os objetivos e as intervenções dos docentes que auxiliam na apropriação e na ampliação de conceitos matemáticos.
Sendo assim, cabe ao professor refletir sobre sua escolha de incluir ao ensino-aprendizagem o recurso de jogos, a dimensão didático-metodológica, ou seja, a importância de um planejamento claro, em que é possível identificar a presença de “o que”, “como”, “para quê” e “a quem”, com base na reflexão e no levantamento dos objetivos, conteúdos e estratégias de ensino.


Público-alvo: alunos do 3º ao 5º anos do Ensino Fundamental; turmas de aceleração da aprendizagem.


Materiais:
• computador ou tablet;
• papel, lápis, borracha;
• materiais manipulativos (tampinhas, palitos, fichas) para ajudar a realizar contagem (soma), caso seja necessário.


Organização da turma: duplas ou trios


Conhecimentos mobilizados:
• leitura;
• cálculo mental;
• adição;
• subtração (especificamente para esse jogo).

1 2 3 
MAIS EXPERIMENTE
Organizar um baile de Carnaval
A origem do Carnaval remonta a celebrações pagãs...
Criar jogos de percurso com base em...
Jogar é uma atividade da qual as crianças sempre participam com prazer....
Viajar pelo mundo do faroeste com a...
Os cartazes de “Procura-se”, imortalizados nos filmes de faroeste, foram...
Mergulhar no universo dos...
Os quadrinhos destinados ao público infantojuvenil podem proporcionar não...
Ler e contar clássicos para...
Já faz tempo que os contos clássicos – também denominados...
VOLTAR
COMENTÁRIO(S)
Faça login para comentar neste artigo, clique aqui!
TANIA CRISTINATANIA CRISTINA disse em 30/09/2016 08h33
Sou super a favor do desenvolvimento de jogos nas salas de aula. As crianças precisam do lúdico, não é o jogar por jogar, mas um jogo desenvolvido intencionalmente com objetivos claro o que exige um bom planejamento do professor (isso é um outro assunto). Visito, no Vale do Ribeira, muitas escolas, diferentes salas de aula, com diferentes realidades e vejo que ainda falta muito investimento para que todas as escolas tenham acesso a um laboratório de informática ou mesmo a alguns computadores para o desenvolvimento dos jogos online, os quais contribuem e muito para o desenvolviemnto das diferentes competências dos nossos alunos em todas as disciplinas. Hoje, os alunos são tecnológicos e todos, independente da escola ser de zona rural ou urbana, devem ter seu direito a aprendizagem garantido. Há necessidade das prefeituras investirem um pouco mais na educação... na formação dos professores...
TELMA CRISTINATELMA CRISTINA disse em 14/09/2016 23h52
Que bacana aplicar o ensino e gêneros em Matemática, ou seja, as condições de recepção do texto aliada a jogos matemáticos. Agora acho que muitos da Área saberão o que é trabalhar leitura nas modalidades e Disciplinas! Já indiquei para minha amiga , professora de Matemática!
Licença Creative CommonsEste trabalho foi licenciado com
uma Licença Creative Commons
PARCERIAS