Compartilhar Facebook   
Favoritar
EM REVISTAENTREVISTAS — JÚLIO LUDEMIR E ROGÉRIO PEREIRA: O QUE OS JOVENS ESTÃO LENDO?...

Júlio Ludemir e Rogério Pereira: O que os jovens estão lendo?

Segundo dados do Censo 2010, último levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgado em abril deste ano, um quarto da população brasileira é hoje formado por jovens, o que equivale a 51,3 milhões de pessoas de 15 a 29 anos. Já o estudo “Juventude que conta”, do Instituto Plural de Educação Aplicada (Ipea), publicado em 2013, revela que 85,2% dos jovens brasileiros colocam a educação como prioridade. Apesar disso, o último Indicador de Alfabetismo Funcional (Inaf), de 2012, aponta que, apesar de o país ter avançado nos níveis iniciais de alfabetismo, ainda há muito o que caminhar em direção ao pleno domínio de habilidades de leitura, compreensão e interpretação textual. Entre universitários, por exemplo, 4% são alfabetizados em nível rudimentar e 34%, em nível básico.


Por sua vez, a terceira edição do estudo Retratos da leitura no Brasil, de 2012, realizada pelo Instituto Pró-Livro (IPL), revela dados interessantes. De um lado, 28% dos entrevistados apontam a leitura (de jornais, revistas, livros, textos na Internet) como uma das atividades que gostam de fazer em seus momentos de lazer − destes, 58% afirmam ler frequentemente. De outro lado, 64% declaram que a leitura é fonte de conhecimento para a vida, 41% a consideram como fonte de conhecimento e atualização profissional e 35% afirmam que ela é fonte de conhecimento para a escola/faculdade. Também é interessante observar que, entre os gêneros mais lidos, estão os livros didáticos, religiosos, técnicos, infantojuvenis e de autoajuda.

Esse cenário indica que o Brasil está se construindo como um país de leitores, de acordo com o jornalista, editor e escritor catarinense Rogério Pereira, fundador do jornal literário Rascunho e, desde 2011, diretor da Biblioteca Pública do Paraná, onde coordena o Plano Estadual do Livro, Leitura e Literatura, o Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas Municipais e o Núcleo de Edições da Secretaria da Cultura. Na última edição de Conversas ao Pé da Página, ocorrida em 13 e 14 de maio, na cidade de São Paulo, Pereira integrou a mesa de discussões sobre a questão “O que os jovens estão lendo?”, ao lado de Júlio Ludemir, jornalista, produtor cultural e escritor, e Bruno Torturra, jornalista e fotógrafo, fundador da Mídia Ninja (Narrativas Independentes Jornalismo e Ação).

Pereira aponta a necessidade de estruturar o leitor brasileiro, já que o cenário da leitura no país é complexo. Segundo o jornalista, passamos de uma sociedade baseada fortemente na cultura oral para o mundo digital, pulando a época do letramento propriamente dito. Nesse cenário, é fundamental analisar com que base de leitura os jovens chegam às redes sociais. Para o especialista, é papel da escola dar oportunidades para que esse público se forme como leitor, pois isso o preparará melhor para que faça uma leitura crítica no mundo digital. São questões que os educadores devem ter em mente: Como formar esses jovens? Que oportunidades efetivas eles têm para ler? Que tipo de livro entregar a eles? Em relação ao que os jovens estão lendo, Pereira aponta que grande parte lê os livros obrigatórios na escola − e isso não garante que serão leitores para a vida toda − e as obras que têm valor social no grupo de que fazem parte (em geral as campeãs de vendas). Segundo o escritor, além dessas leituras, os jovens estão lendo a si mesmos, o que reforça a importância de os educadores, como mediadores, observarem as possibilidades de identificação entre o leitor em formação e os livros a que são apresentados.


Ouça a entrevista de Rogério Pereira para a Plataforma do Letramento, gravada após o evento.


Outro integrante da mesa “O que os jovens estão lendo?” foi o escritor, jornalista e produtor cultural carioca Júlio Ludemir, criador da Festa Literária das Periferias (Flupp). A primeira Flupp aconteceu no Morro dos Prazeres, na cidade do Rio de Janeiro, em 2012. Este ano, a iniciativa difundiu-se por mais três capitais: Curitiba, Salvador e São Paulo. No debate, Ludemir apontou como a grande novidade em nosso cenário de leitura a eclosão das festas literárias por todo o território nacional. Para o escritor, isso indica uma grande transformação na sociedade brasileira − historicamente marcada por profundas desigualdades de acesso a bens materiais e culturais −, em que as classes menos favorecidas são identificadas com a oralidade, e as elites, com a escrita. Esse cenário está mudando, afirma Ludemir: “o novo leitor está na periferia”.


Ouça a conversa de Júlio Ludemir com a Plataforma do Letramento.


Para saber mais sobre o estudo “Juventude que conta”, leia o artigo de Marcelo Neri, presidente do Ipea e ministro-chefe interino da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE). Clique aqui.


Acesse aqui a pesquisa “Retratos da Leitura no Brasil 2012”.


Assista ao vídeo que apresenta o impacto cultural da Flupp nas periferias e a participação de organizações e autores internacionais no evento ocorrido em 2013.  

ÚLTIMAS ENTREVISTAS

...
MAIS LIDAS
Alfabetização e letramento
Em entrevista, Magda Soares, uma das maiores especialistas no tema, fala dos processos de...
Roxane Rojo fala de alfabetização e...
Nesta entrevista, Roxane Rojo, professora livre-docente do Departamento de Linguística Aplicada da...
VEJA MAIS
Letramentos e culturas juvenis
Artigo do antropólogo Alexandre Barbosa propõe reflete sobre a relação entre escola, jovens e novas tecnologias.
O direito de se alfabetizar...
Coluna do especialista Antônio Augusto Batista fala sobre o direito de se alfabetiza...
VOLTAR
COMENTÁRIO(S)
Faça login para comentar neste artigo, clique aqui!
JOSÉ JORGEJOSÉ JORGE disse em 06/03/2015 19h37
Ipea quer dizer "Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada" e não "Instituto Plural de Educação Aplicada"!!
EDSON CUNHA MAGNOEDSON CUNHA MAGNO disse em 01/06/2014 17h18
Bem interessante esta plataforma, pena que não tem nada disponível pra acessar, apenas informações básicas e tal porem vou aguardar ansioso atividades disponibilizadas.
PLATAFORMAPLATAFORMA respondeu em 02/06/2014 20h19
Caro Edson, há diversos tipos de materiais para acessar nas diferentes seções da Plataforma. Para tanto, você pode clicar nas abas coloridas que estão na parte superior da nossa página principal. Na seção Acervo, por exemplo, há Dicas Letradas (resenhas de livros, filmes, sites...), Especiais (infográficos interativos), Entrevistas, Experimente (sugestões de atividades), Materiais dos Projetos (Aceleração, Brincar e Entre na Roda) e Para Aprofundar (artigos, teses e outros materiais para baixar na íntegra). Convidamos você a navegar pela Plataforma e aguardamos seus comentários. Agradecemos seu acesso.
ERILENEERILENE disse em 29/05/2014 13h56
Estou muito feliz de poder fazer parte do projeto Brincar, espero que todos os colegas da turma de Picos também estejam gostando.
Licença Creative CommonsEste trabalho foi licenciado com
uma Licença Creative Commons
PARCERIAS