Compartilhar Facebook   
Favoritar
ACERVODICAS LETRADAS — TODAS AS DICAS — MUSEU AFRO BRASIL NO GOOGLE CULTURAL INSTITUTE

Museu Afro Brasil no Google Cultural Institute

Desde janeiro de 2016, pessoas do mundo todo podem fazer uma visita virtual ao Brasil e contemplar as mais de 100 obras da coleção do Museu Afro Brasil, em São Paulo (SP), graças à parceria com o Google Cultural Institute. Além do passeio virtual pelo museu e suas exposições, os internautas podem selecionar obras do seu interesse e saber mais sobre elas com apenas um clique.


As imagens em 360 graus de coleções pré-selecionadas permitem a navegação pela área expositiva, de cerca de 10 mil m2, especialmente as dedicadas às exposições temporárias e à exposição de longa duração, que ocupam os três pisos do Pavilhão Padre Manoel da Nóbrega, do arquiteto Oscar Niemeyer, dentro do Parque Ibirapuera, na cidade de São Paulo.


Algumas exposições temporárias que já estiveram em exibição passaram por uma curadoria especial para continuar disponíveis on-line, podendo ser vistas a qualquer hora. Caso de Espírito da África: os reis africanos, que exibe fotografias de Alfred Weidinger, fotógrafo austríaco especializado em África, que buscou os remanescentes das monarquias dos maiores reinados africanos. 


Outras exposições virtuais podem ser apreciadas, como Arte, adorno, design e tecnologia no tempo da escravidão, uma exposição temporária que ficou em exibição por mais de dois anos devido ao seu grande sucesso de público e ganhou nova montagem no Dia da Consciência Negra de 2015.


A mostra é composta de objetos de ofícios urbanos e rurais, muitos deles usados em fazendas e engenhos de açúcar, formando um conjunto que realça as contribuições dos negros para a ciência e a tecnologia no Brasil, como mesas de lapidação, moendas de milho, forjas de ferreiro, prensas de folha de tabaco e outros objetos dos séculos XVIII e XIX.


O banzo, o amor e a cozinha de casa, mostra do artista Sidney Amaral, é outra exposição virtual que está disponível, vencedor do Prêmio Funarte de Arte Negra 2012. Além disso, o internauta pode visitar o próprio acervo do Museu Afro Brasil, que ganhou destaque nas galerias virtuais do Google Cultural Institute.


Sobre o Museu Afro Brasil
Inaugurado em 2004, a partir da coleção particular do artista plástico Emanoel Araujo, o Museu Afro Brasil contribui para a valorização do universo cultural afro-brasileiro. A instituição, subordinada à Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, oferece um acervo com mais de 6 mil obras, entre pinturas, esculturas, gravuras, fotografias, documentos e peças etnológicas, de autores brasileiros e estrangeiros, produzidos entre o século XVIII e os dias de hoje. O acervo abarca diversos aspectos dos universos culturais africanos e afro-brasileiros, abordando temas como religião, trabalho, arte, escravidão, entre outros, ao registrar a trajetória histórica e as influências africanas na construção da sociedade brasileira.


Sobre o Google Cultural Institute
O Google Cultural Institute fechou parcerias com mais de mil instituições para disponibilizar tesouros culturais do mundo aos internautas. Para isso, desenvolveu uma plataforma com um total de 6 milhões de fotos, vídeos, manuscritos e outros documentos de arte, cultura e história.

MAIS LIDAS
Novo livro de Magda Soares aborda a alfabetização no Brasil Novo livro de Magda Soares aborda a alfabetização no Brasil
A obra recém lançada da autora conta a história da alfabetização no Brasil. Leia resenha do pesquisador Antônio Gomes Batista.
A beleza de Saramago em animação A beleza de Saramago em animação
"A maior flor do mundo", livro infantil de José Saramago, é adaptado em animação feita com massinha.
VEJA MAIS
Coluna: Querido diário
Texto do escritor Jorge Miguel Marinho fala sobre a íntima relação entre o diário pessoal e seu autor.
VOLTAR
COMENTÁRIO(S)
Faça login para comentar neste artigo, clique aqui!
TANIATANIA disse em 01/10/2017 12h17
Excelente matéria! Após ler o artigo fiz uma maravilhosa visita ao museu Afrobrasil virtual. Percebo este recurso como uma rica fonte cultural e instrumento educativo. Gratidão ! a Plataforma do letramento e a todas/os envolvidas/os nesta produção.
ANA VALERIAANA VALERIA disse em 03/12/2016 10h51
Maravilhosa experiência! Riqueza de imagens da história africana que não são contadas... Pos a história da África não se resumo a escravidão. Essa é a parte da história do colonizador..
Licença Creative CommonsEste trabalho foi licenciado com
uma Licença Creative Commons
PARCERIAS